4 de fevereiro de 2011

MOMENTOS BIZARROS 12- MENINAS, CARROS E AMIGOS BÊBADOS NA PRAIA

Vixxi....

Como alguns aqui sabem eu passo uma parte das minhas férias na Riviera de São Lourenço, que, pra quem não sabe, é uma praia de alto padrão do litoral paulista. Claro que a casa não é minha (novidade). Bebidas, luais, meninas e mais bebida. Sim, as férias são exatamente isso. Drogas, areia e seres do sexo oposto para ambos os casos. Drogas têm, é só procurar, mas gosto de ficar nas minhas bebidas alcoólicas mesmo, porque do jeito que sou compulsivo qualquer coisa me deixaria viciado. Mas não estou aqui para falar disso, mas sim das meninas que vão pra praia.

Existem as meninas normais, lógico, que são exatamente isso: normais, gente fina, bacana, legal de conversar. Mas existe um grupo que é simplesmente insuportável. Sabe quando a "mina" quer pagar de gostosa e caga? Bem, é mais ou menos esse grupo de meninas, que chamo gentilmente de pseudo-vadias. A pseudo-vadia é exatamente isso: uma falsa vadia. É a menina normal que de repente decidiu dar #aloka nela. Mas quando chega na hora H simplesmente entra em choque e volta para o status normal. Vocês não fazem ideia do quanto isso irrita. Já conheci meninas de ambos os grupos e nada se compara com uma menina gente fina. E não se preocupem mulheres que estão querendo me matar. Existe homem assim também, mas assim como para vocês um homem pseudo-tarado irrita, para nós uma pseudo-vadia também.

E tem outra coisa que eu não entendo nas meninas. Primeiro: você está na praia, certo? Ok. E então você decidi ir ao luau, certo? Ok. E quem vai ao luau sabe que é como balada: vai ter pegação. E não é que vejo meninas falando "não" pra todo tipo de homem (de novo: todo)? Essas também são irritantes (principalmente a amiga que não está bêbada e impede que a amiga bêbada pegue um monte de cara que ela tá afim). Entendam: chegar já é difícil, criar assunto pior ainda. Por que simplesmente não dizem que não estão afim? Se bem que em algumas horas é a nossa culpa, homens, que não percebemos que não vai rolar nada.

E claro, sempre tem um amigo bêbado que passa mal. Em algumas situações temos que cuidar de nossos amigos, mesmo que seja bem chato. Eu por incrível que pareça não sou um daqueles caras que ficam desmaiados e simplesmente apagam, mas claro: passo mal (beber + não comer = seu idiota! Bem feito) . Depois do resultado delicioso da equação eu fico bem e sei me cuidar. Sou um bêbado-com-noção. Mas claro, sempre temos um amigo que passa mal e que se torna o bêbado-sem-noção. Não vejo problema nisso, o único problema é quando seu amigo recusa tudo que você dá para ele melhorar. Isso sim que estraga a noite.


E para não deixar apenas as meninas com péssima reputação, falarei do pior tipo que existe dos meninos: o filho da puta master-car. Esse idiota é o cara que fica buzinando para todo pedestre porque ele tem carro e o pedestre não (pior ainda é quando o carro é ruim que dá dó). Será que ele tem que arder no inferno da vida? Com certeza. Já falei pros meus amigos: se um deles falar alguma coisa para um pedestre quando eu estiver com o meu carro (possibilidade de ter um carro nos próximos dois anos = zero, mas tudo bem), eu paro meu carro e ele vai andando. Fácil. Na cidade assim como na praia o pessoal esquece como é a vida de pedestre e é simplesmente uma merda.

E se tem uma frase que usaram como lema foi: "Sabe quem é a minha menina? Essa é a minha menina!". E claro, estava apontando para a garrafa de vodca. Quem criou isso? Eu, lógico, em meu momento alegre. E pra mim é isso mesmo. Achar alguém interessante na praia é difícil, sem falar em gente que tem cabeça boa. Basta beber (ou o que mais você quiser) e curtir que sempre dá em alguma coisa. E se não der, lembre-se: você bebeu e está com os amigos. E claro: tudo fica melhor com um pouco de música que com certeza não pode ser pagode ou sertanejo.

Nenhum comentário: