8 de novembro de 2014

O BRASIL NÃO QUER MUDAR





Para quem estava com saudades justifico minha ausência: meu blog está em manutenção por tempo indeterminado e o motivo é simples: invadiram o blog, mudaram a HTML e toda vez que alguém tenta acessar é redirecionado para outro site (problema resolvido! Voltando com tudo!). Porém, quero falar de outra coisa. Quero falar do nosso país e de como a estagnação está corrompendo nossos governos (sim, no plural).

Saiu um vídeo do Carioca do Pânico que diz exatamente o que penso: troca de poder é saudável principalmente para o povo. O cara que saiu vai querer correr atrás para voltar e o cara que entrou vai querer prestar serviço para se manter. Com a prefeitura de São Paulo, por exemplo, é o que está acontecendo. Mesmo que eu não concorde em diversos aspectos com algumas atitudes do atual prefeito, não posso negar que o cara está se mexendo e trabalhando, ao contrário de seu antecessor, que considero um atraso para a cidade. Mas é isso que vimos nas urnas em outubro? A resposta é não.

Assim, é possível dizer que continuamos conservadores. Sim, brasileiro é conservador, mesmo que se diga aberto para tudo. Quem vive no estado de São Paulo, por exemplo, parece que se esqueceu de todos os problemas que estão ocorrendo na USP, na Santa Casa e claro: a crise hídrica. Como que então o Geraldo Alckmin foi eleito já no primeiro turno? E isso não é algo apenas que está acontecendo no estado de São Paulo, famoso por ser mais de direita e da oposição. O candidato Pezão do Rio de Janeiro (estado voltado mais para a esquerda) será a continuação do governo Cabral! Aquele mesmo governo que recebeu críticas e manifestações no ano passado, inclusive com pessoas protestando na frente da casa do ex-governador. E nossa presidente reeleita? Nem comento.
Ou seja, vivemos num conservadorismo de ambos os lados: quem vota na direita irá votar na direita e o mesmo ocorre com a esquerda.

Nas eleições o maior (e melhor) resultado que vi nas urnas foi o da população do Maranhão (sim, no Nordeste. Sabe aquele lugar em que todo mundo culpa os males do país, inclusive outros nordestino? E caso não tenha entendido a ironia da frase comente que explico melhor). Flávio Dino do PC do B foi eleito já no primeiro turno. A surpresa está no fato de que os votos foram uma resposta do povo contra a presença da família Sarney no poder do estado. Dos que eu tenho conhecimento, o estado do Maranhão foi o que teve a maior mudança entre os poderes.
O Brasil quer mudar? A resposta é sim e não. Claro, todos querem mudar e sempre para o melhor. Agora, o brasileiro quer arriscar a mudança? A resposta é não. Um pensamento que ouço muito, tanto da esquerda quanto da direita, é de que "é melhor ficar como está para não piorar mais" ou "pior que está não fica". Então é falta de escolha? Ah, isso será assunto para ser abordado em outra postagem, mas por enquanto a reposta que temos é que o brasileiro (maioria) ainda é conservador e pra frente não quer ir.

Nenhum comentário: