13 de novembro de 2014

O FIM DAS LOCADORAS PODERÁ SER O FIM DO CINEMA COMO ENTENDEMOS HOJE?


Não sei se cheguei a comentar aqui no blog, mas creio que comentei naquele momento turbulento da minha vida chamado "convocação para o Exército": trabalhei como freelancer durante mais ou menos três meses na locadora 2001. Para quem não sabe, a 2001 é uma famosa franquia de locadora de filmes da cidade de São Paulo e foi uma experiência sensacional de aprendizado profissional e de conteúdo. Porém, hoje em dia, cada vez mais locadoras estão fechando e em alguns lugares nem existe mais. E aí e eu fico me perguntando: o que será da população com o fim das locadoras?

Claro, a facilidade de serviços como Now e Netflix facilitam a vida de qualquer um e falo por experiência própria: uso os dois serviços de braços abertos, principalmente o Netflix. Demorou bastante tempo até o serviço no Brasil ter uma quantidade e qualidade atraente de filmes (ainda um pouco baixa para mim), mas o que me chamou mesmo a atenção para contratar o serviço foram as séries. É muito mais prático assistir uma série no Netflix do que baixar nas "ilegalidades" da vida. How I Met Your Mother assisti praticamente inteira pelo PS4 sem problema nenhum e Breaking Bad assisti completa. É prático e fácil, o que todo mundo quer nos dias de hoje.

Mas nem tudo é uma mar de rosas e vou falar de uma experiência própria. Durante algum tempo eu estava procurando o filme Desfile de Páscoa para assistir e estava com dificuldade de achar. Onde foi que encontrei o filme? Em uma locadora, a própria 2001. Queria achar o filme A Roda da Fortuna. Onde encontrei? Em uma locadora. Querendo ou não, mesmo com tanta facilidade, muitos títulos ficam de fora do Now e da Netflix, principalmente as "minorias" que facilmente você encontrava na 2001, como clássicos, musicais, filmes asiáticos e filmes europeus, por exemplo.

Acredito que, caso não seja de interesse da Netflix adicionar títulos para sua biblioteca como os que foram citados anteriormente, será cada vez mais difícil de achar títulos que, embora desconhecidos, poderiam ser encontrados em locadoras até com certa facilidade. Outra questão também é outra experiência própria: queria assistir a um filme chamado Na Glória a Amargura. Não tinha no Netflix e não tinha mais locadoras para procurar, mas tinha para vender custando apenas (apenas!) R$39,90. Pagar esse valor por um filme que você nem sabe se será bom ou não é abusivo, pelo menos pra mim e pra minha renda. Caso o filme estivesse numa locadora, por exemplo, poderia alugá-lo talvez por R$9,90, muito mais acessível.

Qual a conclusão então? Infelizmente não há. As locadoras estão virando passado e o futuro é continuar usando os serviços online. Agora, que podemos sair prejudicados desse período de transação, podemos. Ficaremos limitados a ver apenas grandes sucessos e blockbusters norte-americanos? Não, porque alguns dos serviços disponibilizam filmes das "minorias". Porém, ainda acho que será um número menor dos que era possível de achar em locadoras. O fim da locadora, pode ser, o fim também de grandes gêneros do cinema. Basta esperar para ver no que vai dar. Outra questão também é se distribuidoras de filmes estrangeiros (entenda "estrangeiros" como filme latino-americanos, asiáticos, europeus, africanos, entre outros) serão prejudicadas e se também fecharão. Mas isso é assunto para outra postagem.

Nenhum comentário: